O que o filme Divertida Mente tem a nos dizer sobre nossas emoções??

Divertida Mente (Inside Out), é uma produção da Pixar junto com a Disney, que conta a história da pequena Riley, uma garotinha de 11 anos que se muda de cidade junto com sua família, devido ao novo emprego do pai. Nessa experiência, diversas emoções tomam conta de sua vida.

inside-out-unofficial-01_original

“INSIDE OUT” (Pictured) FEAR. ©2014 Disney•Pixar. All Rights Reserved.

Algumas pesquisas na Psicologia* evidenciam que há 6 expressões faciais básicas do ser humano, que podem ser reconhecidas até mesmo em culturas afastadas (pouco expostas às culturas de fora), sendo elas: raiva, medo, nojo, felicidade, tristeza e surpresa.  O filme em questão considera 5 dessas emoções básicas, deixando de lado apenas a surpresa. Cada um desses sentimentos são personagens diferentes da história, que vivem dentro da mente e administram a personalidade da pequena Riley.

E o que esse filme nos diz sobre essas emoções? Se você ainda não assistiu, volte depois de ver, pois contarei detalhes da história!!

  • Nenhum sentimento é “errado” ou “ruim”, embora as sensações variem de prazerosas à aversivas. Mas todos possuem um papel importante para a nossa sobrevivência, e é por isso que são universais. Os indicadores de se há ou não adequação emocional estão no equilíbrio entre elas (não predominação das emoções negativas de medo, tristeza ou raiva), na intensidade em que elas se manifestam, se são esperadas como resposta à determinada situação ou não, e como você se comporta diante delas (de uma maneira produtiva ou improdutiva).

“INSIDE OUT” (Pictured) FEAR. ©2014 Disney•Pixar. All Rights Reserved.

  • Medo: um sentimento essencial para nossa existência: o que seria da nossa segurança se não o sentíssemos? Desde bebês aprendemos a tomar cuidado com certas coisas e, nessa fase, captamos o olhar da mãe como referencial se algo é considerado seguro ou se devemos recuar. Ele apenas se torna alarmante quando é exagerado, ou por motivos irracionais e que te prejudiquem (exemplo: medo de agulhas, não permitindo que você colete sangue e realize um exame médico de saúde). Se esse é o seu caso, procure a ajuda de um profissional da área da saúde mental.

“INSIDE OUT” (Pictured) ANGER. ©2014 Disney•Pixar. All Rights Reserved.

  • Raiva: o sentimento aparece normalmente em situações em que você se sinta injustiçado, ou não reconhecido pelos seus feitos. Pessoas que sentem essa emoção constantemente, podem estar carregando com si crenças inadequadas como “o mundo deveria ser justo”, “eu preciso ser reconhecido por todos para me sentir valorizado”, entre outras. A raiva, apesar de ser uma emoção negativa, muitas vezes pode ser justa, e indicadora de que algo precisa ser feito. Quando na medida certa, ela não é uma emoção necessariamente ruim, pois pode ser bem canalizada para agir como força motivadora de mudanças produtivas.

“INSIDE OUT” (Pictured) DISGUST. ©2014 Disney•Pixar. All Rights Reserved.

  • Nojo: outra emoção básica para a sua sobrevivência, imagine como seria se você não sentisse nojo de nada? De quantas coisas prejudiciais já teria se alimentado, ou entrado em contato? Porém, assim como as outras emoções, se torna prejudicial quando acontece com elevada frequência, ou quando é desencadeado por motivos não racionais. Quando isso acontece, é preciso investigar o que está atrás desse sentimento, quais as crenças e perspectivas que esse indivíduo possui a respeito.

“INSIDE OUT” (Pictured) DISGUST. ©2014 Disney•Pixar. All Rights Reserved.

  • Tristeza: ah…  tristeza! Essa é intrigante, pois cada vez mais nossa sociedade vincula a ideia de que não se pode ficar muito triste! Coisas ruins acontecem, e muitas vezes o que se ouve é “levante essa cabeça! ”, “não fica triste não, já já isso passa! ”. Como não ficar triste? Ela também faz parte da vida, e inadequado é se oprimir, fingir que está tudo bem, ou até mesmo esboçar um falso sorriso em situações que não são de alegria, apenas para não entrar em contato com esse sentimento negativo. As emoções tristes devem ser vividas também, e tentar evitá-las apenas adia sua manifestação para o futuro, mas ela virá!

Assim, é preciso reconhecer que você é um ser humano, e tem direito de sentir o que precisa sentir, para só assim poder seguir adiante depois! O filme evidencia isso na cena em que o amigo imaginário de Riley está triste por estar sendo esquecido: a Alegria ignora sua tristeza, tentando mostrar como há coisas boas ao redor dele, em vão. A personagem Tristeza, ao contrário, senta-se ao lado do amigo imaginário, e valida suas emoções, o seu direito de senti-las. O resultado é que, após expressá-la, o amigo imaginário sente-se melhor e mais disposto, e retorna às suas atividades. Assim é na vida…

Outra cena marcante é quando a personagem chega em casa, chora e, com isso, recebe o carinho e compreensão dos pais. Sempre digo que os momentos de crise são oportunidades para nascerem também grandes mudanças, aprendizados, e crescimento pessoal!

Mas como saber se sua tristeza é adequada ou não? Você pode procurar ajuda de um profissional da saúde mental para identificar isso, mas algumas dicas é perceber se ela é uma manifestação comum para o tipo de situação que está vivendo, assim como a intensidade e o tempo de duração dela, e o quanto ela tem prejudicado ou não as suas tarefas diárias. Outra dica é observar os pensamentos que a acompanham: ficar triste em uma fase de luto pode ser considerado normal, mas é diferente de estar triste por acreditar ser uma pessoa inadequada, incapaz, ou achar que sua vida não tem sentido algum.

“INSIDE OUT” (Pictured) JOY. ©2014 Disney•Pixar. All Rights Reserved.

  • Alegria: a princípio, a Alegria é quem tem comandando a vida da pequena Riley. Mas esse comando se evidencia muitas vezes superficial, ao longo do filme, pois a Alegria acredita que pode governar todas as experiências de Riley, a todo momento. Por que isso a torna superficial? Porque não é possível ser feliz a todo momento, a vida é cheia de obstáculos, e a personagem Alegria ignora-os, tentando agir como se tudo fosse positivo. A moral da história acontece quando essa personagem compreende que todas as emoções são importantes! Sim, pode ser muito melhor quando a Alegria é quem predomina, mas ela não pode ser exclusiva! O mais importante é o equilíbrio! Além disso, o filme também nos mostra que muitas experiências são carregadas de emoções opostas ao mesmo tempo! Você pode, por exemplo, se sentir feliz e realizado por estar se formando, mas também triste pelo afastamento dos amigos que isso implica! Essa mistura de emoções  faz da vida ainda mais completa!!

*Retirado de: Gazzaniga, M. S., Heatherton, T. F. Ciência Psicológica: mente, cérebro e comportamento (2005). Artmed: Porto Alegre – RS. Pág. 316.

Imagens da publicação retiradas de: mouseinfo.com

Stacy Carreri Alves – Psicóloga Clínica – CRP: 06/125567

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s